Páginas

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Série Lembranças Esculpidas e Monumentos - Jornal de Piracicaba






domingo, 1 de outubro de 2017

Piracicaba em 1837

   A Vila Nova da Constituição, em 1837, tinha doze quarteirões e 10.291 habitantes. Produzia açúcar, aguardente, café, arroz, feijão, milho, azeite de amendoim, fumo, algodão, porcos, gado e cavalos.
   A cidade tinha 650 crianças. Cerca de 200 casamentos foram feitos naquele ano e 23 mortes por crime.
   A Guarda Nacional já funcionava por aqui com 429 praças e cavalaria com 76 animais. Além deles, a cidade tinha 59 carpinteiros, 1 pintor, 10 ferreiros, 2 seleiros, 3 ourives, 2 oleiros, 5 tecelões, 1 padeiro, 1 pedreiro, 14 alfaiates, 25 sapateiros e 1 caldeireiro.
   Do total, 395 pessoas eram alfabetizadas.
   A primeira escola foi criada em 13 de fevereiro de 1826 sendo que a primeira aula ocorreu em 12 de abril do mesmo ano, com 55 alunos. Era época da palmatória. O primeiro professor foi Joaquim Floriano Leite, que por aqui ficou poucos dias. Foi substituído por Manoel Morato de Carvalho. O terceiro professor foi Vicente do Amaral Gorgel. Um dos professores com mais vida longa foi o padre José Maria de Oliveira.

(Nota do autor: por não haver fotografias na época, esta postagem fica sem registro fotográfico...)

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Pelourinho de Piracicaba


Foto meramente ilustrativa

   O Pelourinho de Piracicaba era o sinal de respeito e justiça em 1816. A matriz cristã de Piracicaba sitou-se naquela época onde está hoje a Praça José Bonifácio, próximo à fonte e ao coreto, onde anos mais tarde seria instalado o Teatro Santo Estevão. segundo Guilherme Vitti em "Manual de História Piracicabana", "o pelourinho foi o símbolo que era da autoridade civil e sinal de independência administrativa".
   No seu entorno ficaram a Casa da Câmara e a Cadeia. Em 1816 ele situava-se no centro da praça principal de Piracicaba, e "achando-se preparado, lavrado e oitavado, de madeira de cabreúva grosso, e composto com quatro braços de ferro, com seus argolões nas quatro faces, tendo em cima do capitel uma haste de ferro, sustentando um braço com um cutelo e uma bandeirinha no cimo, avendo-se preparado todo o terreno e o mais necessário para o levantamento do dito Pelourinho, com assistência de grande parte da nobreza". Nascia assim a Vila Nova da Constituição.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Rádio Educadora de Piracicaba - 50 anos

No ano de 1967, reuniram-se os doutores Nelson Meirelles (médico), Fortunato Losso Netto (radiologista e jornalista), Ernesto Pereira Lopes (empresário / deputado), Coriolano Ferraz Meirelles (advogado), Jairo Ribeiro de Mattos (engenheiro) entre outros amantes da cultura e da música para montar a futura emissora de ondas médias na cidade de Piracicaba. A concessão federal da emissora foi conquistada pelo grupo junto ao Congresso Nacional.

Quando da instalação, a emissora foi denominada Rádio Educadora de Piracicaba, ZYK 533 faixa AM freqüência 1.360 Kilociclos com transmissor Philips de mil watts e estúdios localizados no centro de Piracicaba à rua São José.

A Educadora AM 1060 hoje é comandada pela família Meirelles de Mattos tendo como acionistas majoritários Jairo Ribeiro de Mattos e Anna Maria Meirelles de Mattos e seus quatro filhos.